Muitos proprietários estão neste momento com alguma dificuldade em perceber se é ou não um bom momento para vender a sua casa.

Percebem que estamos num momento de “alta” quanto ao preço,  à procura e num bom momento para vender, mas várias questões surgem durante o processo.

Oportunamente, damos a nossa opinião para ajudar na decisão:

Q: Estamos perante especulação ou bolha imobiliária?

R: Lisboa é finalmente uma Capital Europeia, dinâmica e cosmopolita, uma cidade que está a afirmar-se não só no turismo mas também no investimento, nos negócios e na sua capacidade distinta e segura de albergar cada vez mais residentes internacionais que imprimem uma dinâmica económica diferente da que estamos habituados.

Como tantas outras capitais europeias esta nova dinâmica económica e social veio para ficar.

A perspectiva do mercado, neste momento é de que pelo menos durante os próximos dois anos (até 2020) os preços irão continuar a subir, ainda que de forma mais residual, pelo menos no centro de Lisboa, o que quer dizer que já não iremos verificar  “picos acentuados ” na  subida dos preços de 10% e 20% como verificado até agora,  mas antes, aumentos de preço mais ligeiros e sustentados, até porque os próprios investidores estrangeiros (os grandes impulsionadores do aumento dos preços verificado até à data) têm também os seus  limites bem definidos, quanto ao preço que podem pagar, pois se ultrapassarem uma determinada taxa de esforço, sabem que já não se trata de uma boa oportunidade de negócio e retraem-se em pagar mais.

Por isso, acreditamos que se a situação macro económica e social se mantiver, os preços vão continuar a subir ligeiramente no centro da cidade e em algumas zonas periféricas podem ter ainda margem para uma subida mais acentuada no preço das casas. Mas os preços, estarão brevemente numa situação de maior vulnerabilidade. Não só porque o cliente já não estará disposto a pagar tão caro, como os próprios  investidores começam a tomar algumas medidas nas suas propostas e decisões bem como existe já um controlo mais apertado quanto à avaliação dos imóveis por parte dos bancos, que tentam assim reduzir os seus riscos.

O preço vai começar  a sustentar-se de uma forma mais residual e flexível de acordo com a procura e oferta de casas no mercado à data e sofrerá por todos estes motivos uma maior pressão.

Q: Vendo o meu apartamento e depois compro o quê e onde?

R: Várias famílias portuguesas estão a deparar-se com um problema específico quanto à sua decisão. Se devem ou não aproveitar a oportunidade do mercado imobiliário para venderem a sua casa. Os proprietários sabem que muito provavelmente irão vender rápido e a bom preço, mas receiam que não seja suficiente para manter a sua residência onde desejam ou que irá ser muito difícil encontrarem a casa ou apartamento, com as características que necessitam e pelo preço que desejam pagar.

À semelhança de várias capitais europeias como Barcelona ou Paris a pressão do turismo afastou os residentes do centro histórico urbano e a própria cidade começa naturalmente a alargar as suas fronteiras.  Localidades  antes definidas como “zonas periféricas” da cidade de Lisboa, começam agora de uma forma gradual a serem dadas como centro da cidade… e assim será… naturalmente.

A cidade está a crescer e continuará. Os arredores de Lisboa que conhecemos hoje serão também eles parte do centro da cidade de Lisboa, “amanhã”.

Vejamos, aqui o proprietário deverá apenas medir bem a sua situação e  ter em conta os vários factores determinantes.

Se você é uma pessoa que não prescinde de viver no centro da cidade, Cuidado! Pois poderá ser um desafio bem real, vender e comprar de imediato sem contratempos.  Na nossa opinião, deverá encontrar um consultor da sua confiança para o ajudar a encontrar uma solução, uma habitação do seu agrado e assim, em simultâneo, ele poderá tratar da sua mudança e da venda da sua casa, agilizando os processos e os tempos das transacções de uma forma mais segura, sem correr riscos e evitando situações constrangedoras…acredite, já nos foram apresentadas algumas que prontamente conseguimos resolver.

Mas,  se é um proprietário sem medo, até já tem para onde ir (uma 2ª habitação), já reservou a aquisição de uma nova casa ou não vê qualquer limitação em trocar a sua zona urbana e “trendy” da cidade de Lisboa por uma casa com mais qualidade, maior ou mais recente ou até vê que tem em mão  uma boa oportunidade para construir a casa dos seus sonhos de raiz ou até optar pelas tão na moda casas modulares então, na nossa opinião, não pense duas vezes…porque ainda existem preços competitivos e boas oportunidades.

Ainda é uma realidade conseguir um bom negócio e veja assim, brevemente você viverá na mesma ” no centro” da cidade.